Algas - Matérias-primas do futuro cultivadas em bioreatores feitos com tubos de plástico

A GF Piping Systems está estreitamente envolvida na pesquisa e desenvolvimento dos primeiros bioreatores para produção de algas disponíveis na Europa e nos EUA. O novo sistema de tubos concebido para esta aplicação é feito de plástico transparente. A colaboração bem-sucedida com os parceiros de desenvolvimento LGem (NL), TH Wildau (D), Universidade do Texas em Austin (EUA) e a AlgEternal (EUA ) levou ao fabrico dos primeiros bioreatores para cultivo de algas.

bioreactor

Em colaboração com a LGem, os testes para cultivo de algas aquosas especiais em bioreatores foram realizados com sucesso desde 2007. Em 2010, a Universidade Técnica de Wildau em Berlim juntou-se ao projeto como parceiro de desenvolvimento. O professor Fraz Xaver Wildenauer, TH Wildau/Berlim, revela: "O potencial da nova biotecnologia é grande e também os investimentos necessários. Esta é a razão pela qual levamos a cabo a pesquisa aplicada juntamente com o nosso parceiro GF Piping Systems."

Os tubos e acessórios de elevado desempenho para bioreatores foram desenvolvidos pela GF Piping Systems. Os engenheiros conseguiram atingir o equilíbrio certo entre a quantidade de luz que passa através e a durabilidade do material porque plásticos como policloreto de vinilo (PVC) sofrem alterações quando expostos à luz do sol durante longos períodos de tempo. O novo sistema de tubos oferece elevada resistência a raios ultraviolenta e promove ou acelera a produção através da fotossíntese. Pelo desenvolvimento destes tubos especiais, a GF Piping Systems já recebeu o “Gold Solvin Award“ por inovação em 2010.

As algas são, muitas vezes, consideradas a matéria-prima do futuro. Existem mais de 40 000 tipos diferentes de algas. Devido ao seu elevado conteúdo de açúcar, fécula, óleo e ácidos gordos omega-3, é possível atingir um nível de produtividade sete vezes maior do que o do milho. Estas plantas cultivadas podem ser processadas em biomassa e biocombustível. Além disso, os organismos ligam o dióxido de carbono (CO2), necessário ao seu crescimento.

Atualmente, estão a ser considerados diversos processos para ligar bioreatores a centrais de energia. Isto deverá levar a uma redução das emissões CO2 prejudiciais para o ambiente, permitindo criar simultaneamente biomassa.

A biomassa é um produto de grande procura na indústria de beleza e da produção de alimentos, como produtos alimentares à base de peixe. O combustível derivado das algas é considerado o combustível do futuro nos EUA.